- Ano IX - nº 2 (71) - Março / Abril / Maio de 2015.                           Direção: Osiris Costeira

FITOTERAPIA - Iára Vieira. - iarasovieira@gmail.com

DIABETES - 2ª Parte: A Fitoterapia e o Diabetes (II)

 

Dando continuidade ao estudo da atuação da Fitoterapia na terapêutica do Diabetes, vejamos mais algumas ervas

5) PAU TENENTE (Quassia amara L.):

Diabetes e dietas de emagrecimento. São utilizadas as folhas secas, pó ou óleo.

Propriedades: Adstringente, antiespasmódica, aperiente, depurativa, digestiva, estomacal, febrífuga e vermífuga.

Partes usadas: Lenho

Os princípios ativos: quassina, pectina e taninos. 

Indicação: Fortalecedor hepático, aparelho digestivo, cólicas hepáticas, debilidade em geral, diarréia, dietas de emagrecimento, distúrbios gastrintestinais, infecções (com febre), má digestão (pela diminuição da secreção gástrica), parasitas intestinais, aumenta secreção gastrintestinal, tônico, aperiente, constipação e anemia.

Como fazer: Coloque 2 colheres de sopa para um litro de água.  Deixe cozinhar por cerca de 10 minutos a partir do momento em que se inicia a ebulição, após esse tempo, retire do fogo e deixe repousando, tampada, por 10 minutos. Coe e está pronto para o uso.

Como beber: Tomar de 2 a 3 xícaras ao dia. 

Modo de preparo: Adicionar 2 colheres de sopa para  um  litro de água. Deixar cozinhar durante 10 minutos e, no momento em que começar a ferver, deve-se tirar do fogo e deixar repousando durante 10 minutos. Beber 2 ou 3 xícaras por dia.

Modo de uso: Para fins terapêuticos são utilizadas as folhas secas, pó ou óleo.

Uso interno: adicionar 2 colheres de sopa de Pau Tenente para um litro de água. Deixar cozinhar durante 10 minutos e, no momento em que começar a ferver, deve-se tirar do fogo e deixar repousando durante 10 minutos. Beber 2 ou 3 xícaras por dia.

Uso externo: usar as folhas em forma de lavagens ou banhos, em caso de sarampo ou piolhos.

Contra-indicações:  Não foram encontradas na literatura consultada.

 

6) IPÊ ROXO (Tabebuia avellanedae): úlceras, artrite, algumas formas de leucemia, anemia, diabetes.

Princípios Ativos: Ácido tânico, ácido lapáchico, antraquinonas, carboidratos, desoxilapachol, flavonóides, fibras, gorduras, lapachol, naftoquinonas, proteínas, sais minerais, sais alcalinos, saponinas, vitaminas.

Propriedades medicinais: Adstringente, analgésico, antiblenorrágica, antimicrobiana (gram +), antiinflamatória, antiinfecciosa, antitumoral, antinevrálgica, anti-sifilítica, antibactericida, antifúngica, depurativa, diurético, antimutagênico, anticancerígenas,antibiótica e analgésica.

Parte utilizada: Casca, folhas  (cortar um galho bem rente ao tronco, retirar suas folhas e cortar este galho em partes menores. Com uma faca raspar a casca para a retirada do excesso de material inerte, até chegar naquela parte mais verde da casca, denominada de entre-casca.  Logo após retirar toda a entre-casca do galho, até chegar no lenho. Cortar em partes menores e colocar para secar. Pode ser ao sol).

Modo de Conservar : As cascas e os cernes devem ser secos ao sol. Guardar em sacos de pano, com posterior moagem para transformação em pó. As flores são utilizadas frescas ou secas à sombra e em local ventilado.

Indicações: Alergia, anemia, ajuda no controle da diabetes, diarréia, câncer, candidíase, catarro da uretra, colite, coceira,  estimulante do sistema imunológico, aumenta a imunidade do organismo, feridas, fígado, fungos, garganta, inflamação artrítica, lupus, mal de Parkinson, malária, osteomielite, problemas respiratórios, psoríase, queimaduras, úlcera, casos de artrite, algumas formas de leucemia, elimina as toxinas. Excelente depurativo do sangue, aumenta a quantidade de glóbulos vermelhos, anemia,  inflamações no útero, vagina e ovários cervicites (feridas no colo do útero).

Modos de usar

Depois de moído, utilizar 1 colher de café 3 vezes ao dia ou então preparar o chá, colocando 1 colher de chá do pó para 3 copos de água. Coloque o pó na água e leve ao fogo. Após levantar fervura deixe ferver por uns 8 minutos, desligue e deixe chegar na temperatura ambiente.

Dose: Tome 1 copo 3 vezes ao dia.

Varizes; hemorróidas; úlceras varicosas; eczemas:

- coloque 1 colher de chá do pó da casca em 1 xícara de chá de água em fervura. Deixe em cozimento por 10 minutos e filtre ou coe. Tome 1 xícara de chá de 1 a 3 vezes ao dia.

Depurativo após a sífilis; reumatismo; feridas; imunoestimulante; antitumoral:

- coloque 2 colheres de sopa de pó em 1 xícara de chá de álcool de cereais a 70%. Deixe em maceração por 3 dias e coe em um pano. Tome 1 colher de chá, diluído em um pouco de água de 2 a 3 vezes ao dia. Para crianças dar 1 colher de café.

Desta forma pode ser indicado para dores musculares, artrites e artroses, tumores e alguns tipos de câncer e psoríase. Para as mulheres, nos casos de cólicas menstruais, corrimentos, candidíases e vaginites,  pode ser empregado internamente e também na forma de banhos de assentos.

Nos casos de feridas:

- diluir essa tintura com água, meio a meio, e aplique nas partes afetadas, com um chumaço de algodão.

Afecções da boca, feridas, estomatite, aftas e herpes labial:

- em um pilão, coloque 3 colheres de sopa de flores frescas e adicione 1 xícara de café de água fervente. Amasse bem e coe em uma peneira fina ou gaze.   Em seguida, acrescente uma xícara de café de mel. Misture bem, aplique nas partes afetadas, com um chumaço de algodão várias vezes ao dia.

Dose: indicado em Tintura Mãe; em chá, utiliza-se a entrecasca moída, 15 gramas para 1 litro de água; deixar cozinhar por 5 minutos e  tomar 1 xícara morna, 3 vezes ao dia.

O chá também é utilizado para lavagens vaginais e banhos de assento.

Como fazer o chá:   Pegue duas colheres de sopa da erva, misture com um litro de água e deixe cozinhar por 5 minutos a partir do momento em que começa a ebulição.

Quando amornar, coe e beba duas a três xícaras ao dia.

Contra-indicações/cuidados: Gravidez, período de lactação, pessoas com hipersensibilidade à planta. Altas doses causam náuseas, vômitos, diarréia, efeito anticoagulante do sangue; abortivo; não foi evidenciada toxicidez hepática ou renal.

Superdosagem: em doses exageradas pode causar anemia e problemas gastrintestinais.

 

7) POEJO (Mentha pulegium):

É digestivo, diurético e facilita a perda de peso.

Parte utilizada: parte aérea    

Princípios ativos: óleo essencial contendo carvona, pulegona, mentona-piperitona, borneol, taninos e acetato de mentila.

Propriedades: digestivo, carminativo, expectorante, vermífugo, antiespasmódico,  cicatrizante e antiséptico, emenagog

Superdosagem:  em altas doses a pugelona possui efeito tóxico.  

Efeitos colaterais:  não encontrada na literatura consultada.

Contra indicações:  não se recomenda seu uso para grávidas, principalmente no primeiro trimestre,  pela presença do borneol.

Indicações: hidropsia, tosse, bronquite, insônia, acidez estomacal, arrotos, febre e gases, transtornos menstruais, crises nervosas e reumatismo, hipocloridria, inflamação e fermentação intestinal, enjôos, azia, coadjuvante para estados gripais e resfriados, afugenta pulgas e mosquitos.

 

8) CARQUEJA (Baccharis trimera):

É anti-diabética.

Parte utilizada: parte aérea (caule, folhas)

Princípios ativos: óleo essencial com nopineno, carquejal, acetato de carquejilo e sesquiterpenos, lactonas diterpênicas, flavonóides, resina, saponina, vitaminas, esteróides e/ou triterpenos, polifenóis, taninos.

Propriedades: tônico estomacal, aperiente, diurético, eupéptico, dissolvente, depurativo.

Modo de preparo

Para cada xícara de água, você deve adicionar uma colher do pó de carqueja.

Ferva a água antes de misturar. Adicione o pó na xícara, e despeje a água fervida. Deixe em infusão por cerca de 10 minutos, então tome duas a três vezes por dia.

Superdosagem: a DL50 (dose letal)  do carquejol, seu principal constituinte ativo é de 1,80 g/Kg, podendo ocorrer redução da atividade motora.

Efeitos colaterais: não possui se administrada na dosagem correta. 

Precauções: administração a cada três meses, renovável.  

Indicações: anemias, diabetes, obesidade, má digestão, tônico estomacal, aperiente, diurético, reumatismo, gota e estimulante do fígado; feridas e úlceras (externamente), gastrite, azia, cálculos biliares, prisão de ventre, pois age como estimulante de secreção gástrica. Coadjuvante de regimes de emagrecimento, e cura de chagas ulceradas de pele.

Em forma de chá, em caso de anemia, cálculo biliar, diarreia, enfermidades do baço, da bexiga, do fígado, dos rins, má digestão, má circulação sanguínea, inflamação das vias urinárias, diabetes.

Por ter efeito, depurativo a carqueja serve muito também nos casos de: gota, reumatismo, feridas, chagas venéreas, e mesmo em casos de lepra.  Para estes fins além de tomar o chá da carqueja, também pode ser feitos compressas com uma decocção forte dessa planta, sobre as partes afetadas.

As carquejas também servem para o tratamento em anginas e inflamações de garganta, casos que se fazem gargarejos com o decoto da planta.

 

 

 

CONTATO

fale conosco, tire suas dúvidas, fale com os terapeutas, opine sobre os artigos e dê sua sugestão de conteúdo.

BIBLIOTECA/LINKOTECA SELECIONADA

Nosso objetivo é formar um banco de referências bibliográficas das diferentes Terapias Holísticas, para consulta de todos os interessados em mais detalhes sobre determinado assunto. Seria muito importante, e verdadeiramente interativo, se recebessemos sugestões , objetivando uma das finalidades do site Terapia de Caminhos que é compartilhar experiências e conhecimento. Clique aqui para acessar a terapia que deseja uma bibliografia selecionada para consultas.

"As opiniões emitidas nos textos do site são de exclusiva responsabilidade de seus autores".