- Ano III - nº 7(28) - Novembro de 2009.                                                     Direção: Osiris Costeira

FIQUEM EM PAZ

Encerramos com a edição de agora, o terceiro ano de existência de Terapia de Caminhos oferecendo aos leitores 28 números com quase 250 artigos, fora os Editoriais, em 29 modalidades de se discutir as Terapias Naturais e Holísticas. Apesar do esforço de nossa parte, para o universo holístico não representa quase nada pela riqueza de suas possibilidades e a variedade de suas visões, sempre objetivando, basicamente, o indivíduo, o ser, momentaneamente adoecido. Contudo, foi, é e continuará sendo a nossa contribuição.

Em em todas as vertentes da atividade terapêutica natural e holística, o foco principal é a busca da felicidade e do prazer pleno por aquilo que se faz, com amor e responsabilidade, para que possamos entender e participar deste grande concerto universal chamado Vida.

Quando buscamos a felicidade, sendo criativos e úteis a nós e ao grupo do qual pertencemos, sentimos uma sensação única e indescritível de PAZ, a recompensa máxima do Ser Humano exercitando o dom divino do aprendizado, para que possamos viver numa vibração cada vez mais alta e de mais LUZ.

E sempre que falamos em aprendizado, de imediato nos lembramos do quanto podemos aprender com os ensinamentos dos índios norte-americanos, através do livro de Jamie Sams – “As Cartas do Caminho Sagrado” (Ed. Rocco, 1993), que dentre tantas coisas nos ensina a reconhecer e a utilizar a verdadeira PAZ, quando diz que: “No mundo moderno muitas vezes olhamos para a paz como ausência de guerra, mas a paz representa muito mais do que isso, dentro do nosso modo nativo de pensar. A paz é um modo de agir, saber, criar, ouvir, falar e viver. Em todas as circunstâncias a paz vem do interior de nosso próprio Ser. Essa paz resulta do equilíbrio de reconhecer e honrar as polaridades macho/fêmea, ensino/aprendizagem, humildade/orgulho e todos os outros aspectos do viver em harmonia. Não é algo que possa ser pesado, exceto pelo nosso próprio Ser. Se tivesse que haver uma medida, ela seria determinada pela capacidade do coração de permanecer aberto, sereno e livre de receios.”  

Assim aprendemos quando, de suas cartas, tiramos aleatoriamente a de número 1 chamada “O CACHIMBO – Oração/Paz Interior”. E ela nos ensina que o fornilho do cachimbo representa o aspecto feminino de todas as coisas vivas, e o tubo é o símbolo do aspecto masculino em todas as formas de vida. O simples ato de colocar o tubo no fornilho simboliza união, criação e fertilidade.

Mais adiante, finalizando os ensinamentos da Carta 1, aprendemos que: “A paz interior pode ser encontrada através da prece e da compreensão de seu papel individual dentro do Todo da Criação. A paz mundial começa dentro do coração de cada indivíduo. Chegou o momento de fazer as pazes com os outros ou com qualquer conflito interno que impeça você de ver a beleza de seu verdadeiro potencial. Em todos os casos, a Carta do Cachimbo pede que você honre as bênçãos concedidas pelo Grande Mistério. Ela pede a você que honre tudo aquilo que você é e o motivo por que você está aqui. Ela lhe pergunta como você pode ajudar o mundo. Ao fazer as pazes com o seu próprio Ser interno, essas questões serão respondidas e o Caminho Sagrado se tornará mais claro e luminoso dentro de você.

Encontraremo-nos, outra vez, no ANO IV de Terapia de Caminhos.  Fiquem em Paz.

CONTATO

fale conosco, tire suas dúvidas, fale com os terapeutas, opine sobre os artigos e dê sua sugestão de conteúdo.

BIBLIOTECA/LINKOTECA SELECIONADA

Nosso objetivo é formar um banco de referências bibliográficas das diferentes Terapias Holísticas, para consulta de todos os interessados em mais detalhes sobre determinado assunto. Seria muito importante, e verdadeiramente interativo, se recebessemos sugestões , objetivando uma das finalidades do site Terapia de Caminhos que é compartilhar experiências e conhecimento. Clique aqui para acessar a terapia que deseja uma bibliografia selecionada para consultas.

"As opiniões emitidas nos textos do site são de exclusiva responsabilidade de seus autores".