- Ano II - nº 6(18) - Junho de 2008.                                                                     Direção: Osiris Costeira

FLORAIS - Ana Lucia Magnelli.

Florais de Minas II

Continuando o artigo anterior, começarei a descrever os florais mineiros. Por uma questão didática e explicativa, achei melhor ir escrevendo dos florais semelhantes e diferentes existentes entre os 7 diferentes grupos desenvolvidos inicialmente por Bach que orienta o desenvolvimento dos florais mineiros.

Começarei com o grupo do Medo. Bach, quando desenvolveu o seu sistema, classificou neste grupo apenas cinco florais. Breno, por sua vez, fechou este grupo com oito essências: cinco correspondem as desenvolvidas por Bach, com o mesmo repertório. São elas:

Aspen – Passiflora (é o nosso conhecido Maracujá, do qual já se prepara tanto sucos como bebidas calmantes. Trabalha medos vagos, de origens desconhecidas, ansiedades e medos de que algo ruim possa acontecer).

Cherry Plum – Psidium (é a Gabiroba, uma frutinha muito apreciada nas roças de Minas. Trabalha os indivíduos psiquicamente impulsivos, com medo de perder a razão, o controle; o famoso medo de “perder a cabeça”. Esta essência faz parte do emergencial Buquê de 5 flores do sistema mineiro – é o Rescue de Bach).

Minulus – Mimosa (também chamada Mimosa, Sensitiva ou Vergonhosa, é encontrada, em certa época em locais onde o homem apresenta medos concretos, densos: de elevadores, por exemplo).

Red Chestnut – Trimera (é a famosa Carqueja da medicina caseira, e trabalha o medo excessivo pelo bem estar dos outros, principalmente aqueles medos de “mãe”, que pensam sempre no pior quando o filho se atrasa).

Rock Rose – Bipinatus (a essência é obtida de uma planta conhecida como Cosmo, Estrela ou Voadeira, que cresce espontaneamente em terrenos baldios, aterros, margens de estradas e depósitos de lixo, ou seja, nasce em lugares desfavoráveis, manipulados pelo homem. Também é usada para situações emergenciais, como seu correspondente inglês, onde a pessoa se sente ameaçada por toda sorte de acontecimentos. A essência Bipinatus faz parte dos florais emergenciais do sistema mineiro: Buquê de 5 flores e Buquê de 9 flores).

Sei que descrevi rapidamente as cinco essências que se correspondem, por motivos óbvios: repertórios semelhantes.

Agora, descreverei as três restantes, acrescidas por Breno, que trabalham outros medos. São elas:

Ambrósia – é a famosa Erva-de-Santa-Maria, conhecida também como Erva-formigueira e Erva-vomiqueira. È uma planta de porte pequeno, com flores miúdas e esverdeadas. “A cor verde conduz ao reino vegetal, à fonte de sustentação humana.... o verde sustenta, é firme e denso, confere a segurança de se estar pisando com equilíbrio sobre a terra; descansa e trabalha a fé e a iniciativa. O verde tem limites bem definidos nas folhas..., transmite a idéia de correta limitação, tão necessária a esta personalidade.”

Esta essência é para pessoas que temem a escassez de recursos vitais (principalmente alimentos, segundo Breno). Também medo do fracasso financeiro, desemprego, falta de dinheiro (incapacidade de suprir as necessidades básicas, tanto próprias como familiares). Para os ansiosos e inseguros com os recursos de que dispõem.

O estado de ansiedade pode se agravar com a intensidade do bloqueio de energia, acarretando distúrbios psicossomáticos. Para Breno, este tipo de personalidade pode abusar dos alimentos, não se contentando com o necessário. Por medo da carência, eles podem armazenar o alimento no próprio corpo, numa forma inconsciente e ilusória de proteção, possuindo uma grande tendência à obesidade. Esta é uma essência muito utilizada no tratamento da compulsividade alimentar.

Plantago – também conhecida como Tanchagem, Trançagem e Língua-de-Vaca, é uma planta perene, de raízes curtas, folhas grandes, flores pequenas, esverdeadas e acastanhadas, reunidas em espigas alongadas verticalmente.

Esta essência é usada para o “medo das fantasias, do entusiasmo, da surpresa, do inesperado, do perigo, dos riscos, de cantar aberta e livremente a vida, de ser alegre, de ter desejos, de amar e ser amado”, entre outros. Se formos resumir o repertório desta essência, ela é usada para aquelas personalidades que carregam em si um medo muito grande de viver a vida em sua totalidade, com todas as suas surpresas, agradáveis ou não, podendo levar a dependências químicas (droga, álcool, tabaco).

O medo de viver também pode levar a uma rigidez comportamental visto que, se a pessoa não consegue lidar com as surpresas da vida, ela bloqueia a energia, perdendo a flexibilidade necessária para as situações diárias. Todo bloqueio de energia gera uma defesa na pessoa, que se esconde atrás do muro que ela própria construiu. Para que ela consiga derrubar o muro, ela precisa se sentir forte, recorrendo, geralmente, ao álcool/drogas, para poder se relacionar, criando um estado de dependência (círculo vicioso), na maioria das vezes, de forma inconsciente. Como descrito, essência ótima para tratar dependências químicas.

Sambucus – é o Sabugueiro. Essa essência trabalha a falha e o descontrole do próprio corpo físico, os medos relacionados ao possível descontrole do sistema neuro-sensorial, para movimentos involuntários de origem nervosa, agressividade oral e física.

Essa essência, ao contrário da Psidium (Cherry Plum), que trabalha o descontrole a nível psíquico, trabalha o descontrole a nível físico, de corpo, trabalhando o ritmo de eu no indivíduo, tentando estabelecer um sincronismo adequado. Esta essência faz parte da fórmula Buquê de 9 flores, para estados emergenciais.

Se formos analisar de uma forma global o grupo do medo dos Florais de Minas, poderemos dizer que Breno complementou o grupo com medos que fazem parte muito mais da nossa época do que da época em que Bach viveu. Não que naquela época não existisse dependências, compulsividades ou tiques nervosos. O que acontecia, naquela época, é que as dependências eram vistas como vícios e careciam de uma classificação melhor, com uma visão mais profunda sobre o quadro do indivíduo, que foi o que ocorreu nos últimos anos: os vícios e compulsões começaram a ser estudados sob uma nova ótica, concluindo-se que, de fato, eram doenças, que até hoje são estudadas para melhor serem compreendidas e seus doentes, melhor tratados.

O sistema inglês continua válido, mas devemos ver como a medicina evoluiu desde a época da criação do sistema inglês. Breno trabalha no contemporâneo, no atual. E, no atual, doenças que antigamente não eram consideradas doenças, agora o são.

Os dois sistemas são complementares, não excludentes.

A nível de informação, o Buquê de 9 Flores é uma fórmula floral emergencial, composta pelas essências florais Bipinatus, Rosmarinus, Tagetes, Sambucus, Impatiens, Aleluia, Origanum, Artemísia e Arnica Campestre que, além de incluir as potencialidades do Buquê de 5 Flores (socorro psíquico), atua também na restauração do corpo etérico-físico, servindo como um primeiro socorro psíquico-físico enquanto se procura orientação especializada.

Abaixo, as fotos das 8 flores que constituem o grupo do Medo dos Florais Mineiros.

CONTATO

fale conosco, tire suas dúvidas, fale com os terapeutas, opine sobre os artigos e dê sua sugestão de conteúdo.

BIBLIOTECA/LINKOTECA SELECIONADA

Nosso objetivo é formar um banco de referências bibliográficas das diferentes Terapias Holísticas, para consulta de todos os interessados em mais detalhes sobre determinado assunto. Seria muito importante, e verdadeiramente interativo, se recebessemos sugestões , objetivando uma das finalidades do site Terapia de Caminhos que é compartilhar experiências e conhecimento. Clique aqui para acessar a terapia que deseja uma bibliografia selecionada para consultas.

"As opiniões emitidas nos textos do site são de exclusiva responsabilidade de seus autores".