- Ano IV - nº 8(36) - Julho de 2010.                                                                     Direção: Osiris Costeira

YOGA - Sri Ananda Deha - anandadeha@gmail.com

MANTRA YOGA

Através da Visão Védica (Os Vedas são as escrituras hindus mais antigas que se tem notícia)

Saudações sonoras a todos os leitores!!!

Neste artigo, gostaria de conversar um pouco sobre o Mantra e o Som na visão antiga da Índia, ou seja, através da visão “Hindu” (povo sábio que viveu no vale do Rio Indu, a mais de 8000 anos atrás). Esta “visão” ou “ponto de vista”, hoje ficou conhecido como Hinduísmo, o qual influenciou e inspirou a escritura que irei me basear. Mas vamos deixar os “ismos” de lado e ir direto ao assunto!

Começarei discutindo a essência do Som e o Mantra OM, que é o primeiro e essencial Mantra de todos os conhecidos. Para isso, mergulhei na escritura sagrada do Yoga chamada: Yoga-Sutras, escritos por Patãnjali. Este é o grande filósofo indiano que viveu em torno do século VI a.C. e professor de Sri Shankaracharya. Esta obra é a mais citada e adotada em quase todos os sistemas de Yoga, sendo por isso conhecido como Raja-Yoga ou Yoga Real. É dividido em quatro capítulos: Samadhi Pada (Natureza do Yoga), Sadhana Pada (A Prática Externa), Vibhuti Pada (A Prática Interna) e Kaivalya Pada (A Natureza da mente e a percepção mental do desejo e da liberação e seus efeitos).

No primeiro capítulo ele fala sobre o Samadhi (Hiperconsciência ou Iluminação). No capítulo I-23, Patãnjali pontua que uma das maneiras de experienciar o Samadhi é através da auto-entrega a Deus (Íshuara para eles). Do capítulo I-24 ao I-26, ele comenta sobre Deus, e quando chega ao Capítulo I-27 ele fala: “Tasya vacakah pranavah”, ou seja, “Sua designação é Om”. E, nos próximos três sutras, ele comenta um método preciso para estabelecer-se contato direto com Ele.

Vamos voltar ao que nos interessa aqui neste artigo. Quando ele diz que a designação de Deus é Om, o que ele quis dizer com isso? Ele nos apresentou o Mantra-Yoga. Vamos tentar entender o que vem a ser isso utilizando os comentários de um grande estudioso do século passado: I. K. Taimni (1898 – 1978).

De acordo com esse autor, Mantra-Yoga é o ramo do Yoga que procura produzir mudanças na matéria e na consciência pela ação do “Som”, sendo “Som” utilizado em um sentido especial que veremos agora. De acordo com esse ramo, a manifestação primordial da Realidade Última ocorre através de uma vibração peculiar, sutil, denominada Sabda, que significa “Som” ou “Verbo”. O mundo não é apenas criado, mas mantido por este Sabda, que se diferencia nas inúmeras formas de vibração, subjacentes ao mundo dos fenômenos. A Teoria da Relatividade nos mostrou que todos os fenômenos da natureza podem basear-se em vibração ou expressões de Energia. Em outras palavras, massa e energia não são duas entidades diferentes, mas, sim, uma só e única, sendo a relação entre as duas dadas pela bem conhecida equação de Einstein: E=C2 (m’-m). Essas vibrações ou expressões de energia não somente constituem o material do mundo manifestado, mas também, por suas ações e interações, produzem todos os fenômenos dos diferentes planos.

Indo mais além, todas essas vibrações, infinitamente complexas, de enorme variedade, são expressões de uma Única Vibração, a qual produzida pela Vontade do Poderoso Ser, que é a Deidade Governante de determinado mundo manifestado, quer seja um sistema solar, quer seja um universo, quer seja o cosmo. Esta primária e integrada vibração, da qual derivam todas as vibrações em manifestação, é chamada: Sabda-Brahman, isto é, a Realidade Última, em seu aspecto de “Som”.

 De acordo com esse ramo do Yoga, esta Realidade Última, trazendo Consigo as impressões de manifestações anteriores (Samskaras), diferencia-se na manifestação em duas expressões primárias e complementares: Sabda-Brahman (Vibração Integrada composta); e Brahma-Caitanya (Consciência Integrada subjacente ou Realidade em seu aspecto de Consciência).

Verifica-se, assim, que sempre que haja manifestação de consciência há uma vibração a ela associada, esteja-se ou não apto a percebê-la. Não apenas a vibração e a consciência encontram-se íntima e indissoluvelmente ligadas, mas há um relacionamento específico entre cada espécie de vibração e o aspecto particular de consciência que ela pode expressar. Portanto, em um nível mais superficial, podemos constatar que cada vibração particular de luz, com um comprimento de onda definido, produz, na consciência, sua percepção da respectiva cor. Ainda, cada específica vibração sonora produz, na consciência, a percepção da nota respectiva. Aquilo que é verdadeiro nos níveis mais superficiais é verdadeiro em todos os níveis de manifestação e, portanto, não há exagero em supor-se que a consciência pode ser influenciada ou alcançada por meio de vibrações.

Esses princípios amplos e simplificados apresentados aqui formam a base do Mantra-Sástra, a ciência de usar os mantras para obter certos resultados tangíveis bem como o Mantra-Yoga, a ciência da unificação ou desenvolvimento da consciência, com o auxílio de mantras. A idéia essencial, subjacente em ambos, é que, produzindo-se um tipo específico de vibração através de um veículo, é possível atrair uma espécie particular de força através do veículo, ou produzir um determinado estado de consciência no veículo. Tais vibrações podem ser produzidas por meio de mantras. Cada um deles representa uma combinação particular de sons a fim de produzir certos resultados específicos.

Vamos voltar ao Capítulo I-27 onde Patañjali fala: “Tasya vacakah pranavah”, ou seja, “Sua designação é Om”. Trazendo o contexto de sua discussão, Patañjali questiona como superar as distrações e obstáculos da mente para experienciar Deus, e imediatamente ele mesmo responde que o primeiro e mais eficiente meio é Japa (Repetição), de Pranava, e a meditação sobre seu significado. Ele considera Pranava (Mantra Om) o Vachaka (nome ou designação) de Íshuara (Deus de nosso Sistema Solar). Quando usado de um modo especial, tem o poder de revelar a consciência e liberar o poder de um Devata ou Ser Divino. Em outras palavras, um Vachaka é um nome especial que tem um relacionamento místico com o Vacya (a Entidade designada) e tem, inerente, o poder de revelar a consciência e liberar o poder do indivíduo a quem se destina. Om, por exemplo, é um Vachaka, considerado pelos hindus o mais místico, sagrado e poderoso mantra, por ser o Vachaka de Íshuara, o Poder Maior e a Suprema Consciência, no que diga respeito ao nosso Sistema Solar.

Pode parecer absurdo que uma mera sílaba de três letras (O Mantra Om é constituído de três letras: A, U, M. Estas formam o som Om) possa ocultar em si o poder potencial que lhe é atribuído por todos os yogis e pelas referências difundidas pelas Escrituras Sagradas dos hindus. Mas fatos são fatos, e eles não são afetados de modo algum pela ignorância e pelos preconceitos de pessoas que neles não acreditam. Quem teria acreditado, há cinquenta anos, que um simples nêutron, movendo-se entre alguns átomos de urânio, poderia produzir uma poderosa explosão e fazer toda uma cidade ir pelos ares? O Mantra Om é como uma explosão, só que uma explosão de Luz interna capaz de despertar a Consciência inerente em nós acabando com a dualidade que nos fragmenta e que nos deixa desequilibrados e conseqüentemente doentes.

Experimente a repetição (Japa) do Mantra Om (Pranava) e seja Feliz Agora!!!

Este artigo está acompanhado de uma das formas de vibrar o Om, escute e repita junto.

NamasTê!!!

Clique aqui para ouvir o mantra

CONTATO

fale conosco, tire suas dúvidas, fale com os terapeutas, opine sobre os artigos e dê sua sugestão de conteúdo.

BIBLIOTECA/LINKOTECA SELECIONADA

Nosso objetivo é formar um banco de referências bibliográficas das diferentes Terapias Holísticas, para consulta de todos os interessados em mais detalhes sobre determinado assunto. Seria muito importante, e verdadeiramente interativo, se recebessemos sugestões , objetivando uma das finalidades do site Terapia de Caminhos que é compartilhar experiências e conhecimento. Clique aqui para acessar a terapia que deseja uma bibliografia selecionada para consultas.

"As opiniões emitidas nos textos do site são de exclusiva responsabilidade de seus autores".